segunda-feira, 15 de junho de 2015

Dormir pouco pode aumentar risco de ataque cardíaco e AVC



Sono ruim deve ser considerado um fator de risco para doença cardiovascular, assim como tabagismo, falta de exercício e má alimentação.


Você dorme pouco ou mal? Pois saiba que esse detalhe pode aumentar o risco de um ataque cardíaco ou AVC (acidente vascular cerebral), de acordo com pesquisa de um programa da Organização Mundial da Saúde (OMS), apresentada no EuroHeartCare 2015, nesta segunda-feira (15), na Croácia. Os dados são do site da Sociedade Europeia de Cardiologia.Os cientistas analisaram 657 homens, entre 25 e 64 anos, sem histórico de ataque cardíaco, AVC ou diabetes, em Novosibirsk, Rússia. A qualidade do sono foi avaliada quando o estudo começou, em 1994.
Durante o período de acompanhamento, quase dois terços (63%) dos participantes que sofreram ataque cardíaco também tinham um distúrbio do sono. Quem dormia mal apresentou um risco de enfarte do miocárdio de duas a 2,6 vezes maior. A probabilidade de AVC se mostrou 1,5 a quatro vezes mais elevada.
"Descobrimos também que as taxas de ataque cardíaco e acidente vascular cerebral em homens com distúrbios do sono foram relacionados com detalhes sociais, com as maiores incidências naqueles que ficaram viúvos ou divorciados, não tinham terminado o ensino secundário e com trabalho manual mediano a pesado", comentou Valery Gafarov, professor de cardiologia da Academia Russa de Ciências Médicas em Novosibirsk, Rússia.
O especialista fez questão de enfatizar que sono não é uma questão trivial, mas de muita importância. "Sono ruim deve ser considerado um fator de risco modificável para doença cardiovascular junto com o tabagismo, falta de exercício e má alimentação", completou. Para a maioria das pessoas, sono bom é o que dura de sete a oito horas.